quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Expedição Antártica 2011 - 10º Dia - Enterprise Island - Ancorado a contrabordo do veleiro Marie Pôrles

Diário de Bordo em 31 de janeiro de 2011 - Segunda-feira

10º Dia de Expedição


Temperatura: 0°C
Céu: encoberto com chuva e neve
Vento: 170° Bb polar
V.Vento: 5.4Kn
V.Desl: ancorado a contrabordo do Marie Pôrnes
Dir: Enterprise ISL
Bar: 919 hpaMar: liso(canal)
Coord: 64°32.400’S - 61°32.400’W

Ainda chove lá fora e com essa chuva Oleg não quer navegar. Seria sair de algum lugar em que já chegamos seguros para outro que não sabemos como iremos encontrá-lo, em que pese KOTIC já ter mais de 50 expedições por aqui.


“O hoje está sempre aqui. O ontem foi para algum lugar que eu não conheço, e o amanhã virá de onde não sei”


Tomamos café, limpei minha cabine, conversamos um pouco à mesa. Tédio! Absoluto tédio!


Você tem que conviver num espaço restrito com pessoas que eu nunca havia visto a mais de onze dias atrás. Cada um fica em seu espaço fazendo algo. Todos eles são fotógrafos, editores e afins. Eu sou Policial Militar e a Adriana que é coordenadora de parques florestais em SP. Mais ou menos ligada ao Estado. São todos muito cool.

Conhecem todos os artistas, lugares do planeta, cada um é um pouco melhor que o outro.

Ricardo é gaúcho. Já conheceu muitos países e viveu em alguns deles. Foi para os EUA e lá aprendeu a profissão de fotógrafo.

André está com seu filho Gabriel de onze anos e se casou à 2 anos com sua atual esposa. Gabriel é filho de outro relacionamento de André, por isso mesmo é mimado pelo pai, se parece com um gato. Gabriel é super culto e já fez um monte de coisas. Até já saltou de paraquedas, e olha que é bem novo. André é uma das melhores pessoas, sempre procura dar alguma dica na boa; sem se aparecer. Ele também é muito amigo do Fernando, meu companheiro de quarto.


Eu todo encapuzado de frio

Dá uma olhada no estilo do Oleg...todo a vontade...

Igor, Fernando, André e um pesquisador Ucraniano que não me lembro mais o nome. estamos na Base de Vernadsky, da Ucrânia.

a Adriana e um integrante da Base Ucraniana.

Fernando na última viagem (ele e André realizaram uma outra viagem para a Antártica com o Oleg, dois anos atrás) creio que era casado com uma tal Fernanda. Todos falam muito dela. Não está mais, já é outra namorada.

O outro casal a bordo são Bene e Maristela. Ele é piloto e tem um pequeno avião em Americana, perto de casa, mas sua profissão é consultor de fotografia. Ela é profissional nisso. São bacanas. Ele e eu conversamos bastante. Eles são os mais próximos de Oleg e Sophie e Igor. 
Sophie contemplando a paisagem...parece que ela nunca esteve aqui...mostra o quanto ama isso!
Sophie lê com freqüência quando não está na cozinha ou fazendo alguma outra atividade do barco. Como disse antes, ela junto com o Oleg e Igor são de fato a tripulação do Kotic. Ela é culta e muitíssimo educada. Deve ter seus quase sessenta anos. Não sei ao certo, a vida no mar envelhece as pessoas. Fica difícil precisar. Tem energia de 25 anos. O Oleg descobriu outro dia (a Sophie nos confidenciou isso) que está com quase 75 anos. O cara tem energia de um jovem de 30... tem que ver ele coçando os cabos das velas com uma mão só. Outra coisa: ele sai lá fora só com uma japona surrada e SEM luvas e nós quase congelando. é louco ver essas coisas...muito a se aprender. Um verdadeiro Lobo do Mar...um VELHO LOBO do Mar.


Le Captain... Olha ele sem luvas conduzindo o Kotic no Canal de Gerlache...

Igor está com vinte e sete anos e tem muitas expectativas na vida. Tem trabalhado em diferentes projetos com o Beto Pandiani de travessias disso ou daquilo. Hoje ele mora - ao menos alguns meses - em Lyon, na França.


A família Oleg vive do chartes do Kotic.


Belle Sophie!

Me parece que temos a possibilidade de sairmos desse buraco por volta das 12:00 hs – 14:00hs. O veleiro que está ao nosso lado Marie Pôrles também sairá. Outros mercadores de viagens. Franceses...


A rotina a bordo tende ao ostracismo. Muito bom para os cultos. Alguns estão lendo revistas em Frances, inglês, espanhol e português e até agora, pouco antes de vir acabar de escrever no... camarote, ouvindo música clássica e depois alguémcolocou uma b...de música onde o cara geme em sei lá, qual língua.


Descobri: Sou um troglodita!!!!


O capitão Oleg tem um CD com músicas populares e sambas das antigas. Fantástico!!!!


Difícil é conseguir coro para ouvi-las.


O céu está completamente, cinza e encoberto e chove e neva lá fora. Um grupo vai desembarcar para andar um pouco. Obá! O barco ficará mais vazio.


A falta de sol no céu afeta o soldado dos trópicos. Aqui falta cor. Falta calor da família. Pedi, recebi. É diferente de tudo que podia sequer imaginar. Vai ficar a recordação para as futuras gerações da nossa família.


As coisas aqui são por demais interessantes na natureza. As pessoas a bordo também. Só é necessário se adequar e entendê-las. Não entre em seus universos. Passe ao largo.


Como vocês sabem, eu nunca tinha visto neve. É a coisa mais legal vê-la do céu. Parece cinza de queimadas, porém menores e mais claras. Elas caem suavemente e vão tomando conta de todo o cenário. Andamos na neve da montanha e logo depois os passos estavam sendo cobertos pela neve que caía. É uma beleza diferente.

 Aqui dentro cada um tem um projeto diferente. Ricardo, o gaúcho, está trabalhando em um projeto sobre os povos comunistas e como eles estão se adequando à abertura ao ocidente. O que isso tem a ver com Antártica até agora, não entendi. Creio que nada, apenas veio para se divertir. Pelo que ouvi ele se separou da mulher recentemente e já tem namorada e etc e deve ter vindo para cá descansar. Conhece muitos países. Foi recentemente a China e a Mongólia.


André e Fernando trabalham num projeto de fotos em 3D. Está legal o trabalho deles. São excelentes fotógrafos, como os demais. Vejo os ensaios em seus laps e está ficando uma coisa de louco. Espero que eles publiquem mesmo esse livro. Será um belo serviço à sociedade brasileira.


A Maristela – pelo que entendi – está escrevendo um livro que deve ser sobre a família Oleg. Bene lhe faz companhia.


Adriana é diferente, e isso causa certo desconforto aos demais. Eu não ligo. Vim até o final do mundo para conhecer coisas diferentes e estou tendo a oportunidade de conhecer pessoas diferentes (do que eu conheci até hoje) também. Não tem filhos, creio que nunca foi casada, vive com os pais e tios (ainda não sei ao certo), envolvida com questões ligadas a defesa do meio ambiente. Acho que está só viajando. Ainda são poucos dias para conhecer todo mundo.


Família Oleg está se capitalizando para subir ao Polo Norte, depois de 25 anos aqui no sul. Eles moram em uma cidade do Uruguai que se chama Carmelo, vivem no barco, embora a propriedade tenha mais de 60km2. Não tem casa.


Meu projeto? Não sei. Mais alguns dias e tenho certeza que algo surgirá. Meu livro talvez.


Frio???? Imagine...


Conhecer tantos estilos de vida diferentes tem mexido com minha cabeça. É algo surpreendente isso. Faz refletir porque tanto?talvez meu projeto seja reforçar minha marca. Explorar é absolutamente embriagante.


Amanhã é o aniversário da Rita! 01 fev.11 – 45 a!


Escrever usando caneta e papel também tem causado seu impacto. Penso antes de escrever pois ficará indelével marca nestas folhas de meus pensamentos. Eu já não me lembrava mais de como era minha letra quando usada por tanto tempo. Cansa mais. É um processo mais lento, como tudo neste canto de mundo. Aqui tudo é muito mais devagar. Você ouve sobre as pessoas. Você lê. Você ouve música (que gosta e que não gosta) você observa gestos e atitudes. Você escreve. Você começa a se importar com coisas que lá fora são absolutamente, dispensáveis. Você pensa e pensa muito. Em tudo e todos. Tenho lembranças de colegas de infância que jaziam num canto escuro de minhas memórias.

Eu, Aristides (Jr), Mauro e Zé Luiz em nossa formatura de 8ª série
 Creio que aos poucos estou carregando minhas baterias.


Gabriel e Fernando

Agora são 21:36 hs e vim aqui deitar. O Ricardo e outros vão sair de bote até a ilha ao lado. Minutos antes de me deitar, medi a temperatura da água do mar e do ar: -2,5°C.

Jantamos uma massa com molho vermelho e outro branco. O Bene mais uma vez, ajudou a Sophie na preparação. Institui o “palmas para a cozinheira”, a bordo.


A conversa ao redor da mesa, como sempre, são livros e filmes. Estou muito desatualizado; que horas esse pessoal vê tantos filmes, vai a tantos shows, lêem tantos livros e ainda viajam a trabalho e ou trabalham?


Essa é a popa do Kotic onde fazíamos nossas refeições. Vemos (da esq p dir) Ricardo, Fernando, Oleg, Igor, Maristela, Bene, Sophie e Adriana. Vinho não faltava nunca, queijos e presunto cru...hummmm

Sophie me falou de um livro sobre o Estreito de Magalhães e me afiançou que vou gostar. Vou pegar a referência e procurarei comprar para ler.

Tomei um Golden Label (18 anos) com o Oleg hoje de novo.


Chegamos aqui em curveville Island, as 17:30h saímos de Enterprise exatamente as 14:00hs. Ao sairmos havia um iceberg enorme que acabamos dando uma volta completa nele.


Isso tudo é um único bloco de gelo. A parte maior lembra um coelho...

No caminho até aqui esfriou muito e estamos com uma temperatura média de -2°C frio pra caramba. Aqui estamos navegando a motor. O mar é liso e não há ondas. Fica fácil. Não dá enjôo.

Amanhã, provavelmente, iremos para Dorian Bay. Lá mesmo com esse tempo dá pra andar e visitar vários lugares a pé.

Aqui não dá nem para sair do barco. O confinamento é quase completo.


Continua nevando lá fora. O que era novidade ontem, já começa a incomodar. O pessoal que veio junto já esteve aqui em 2009 e pegaram isso aqui com um belo sol. Tudo fica muito mais bonito. Eles tiraram muitas fotos bacanas.

Vamos orar para a melhoria do tempo.

Boa noite.

OBS* pegamos um pedaço de iceberg para tomarmos com whiskie. Esse gelo de acordo com o capitão Oleg, tem milhares de anos. Você pode ouvir as microbolhas de ar se soltando do gelo em pequenos estalidos. Sensacional poder ter feito isso.

Continua...



Boa navegação a todos!

Capitão Gutemberg.
Comandante da Embarcação Odyssey.


Oleg, Igor, Maristela, Bene e Sophie. Era aniversário da Maristela.