sábado, 12 de março de 2011

Expedição Antártica 2011 - Atracado em Ushuaia - Argentina

Diário de Bordo em 20 de janeiro de 2011

Temperatura: 6°C
Céu: aberto
Vento: 212° SSW
Velocidade do vento: 25 Kn
Direção deslocamento: atracado no Club Náutico de Ushuaia
Velocidade de deslocamento: nihil
Barômetro: não aferido
Condição do mar: liso
Coordenadas: 54°48'36.0" S; 68°19'02.9"W
Local: Ushuaia

Acordei cedo, próximo das 08:00 hs local (lembrando que é o mesmo fuso horário de Campinas/SP, sem o horário de verão). Mandei uma msg para o felipe pelo celular que me respondeu rápido. Mandei outros e ele não retornou. Acho que vai tentar um golpe de Estado na Origem.

Tomei banho e desci ao café. Acabei de me sentar à mesa entra um senhor alto, pele castigada pelo mar, gorro na cabeça com um inconfundível sinal - a bandeira do Brasil e o logo da Pertobras, olhos azuis e características ímpares. Oleg Belly em pessoa. Francês com sotaque espanhol falando português.




Los Lagos Hosterie
  Tomamos café juntos, embora tenha me falado que não come nada pela manhã por que fica enjoado...imagina isso, já navegou por todos os mares do planeta nas mais severas condições de tempo e fica enjoado se tomar café pela manhã...chego a rir disso, sem que ele perceba.

Aproveitei e já paguei o que faltava. Me convidou para o almoço a bordo do KOTIK e depois de alguns pequenos acertos partiu, caminhando em direção ao Club Náutico de Ushuaia, onde estava atracada a embarcação.



Clube Náutico de Ushuaia
 
Sai pela rua San Martin para conhecer a cidade. Essa rua é a do comércio.




Rua San Martin
 
A cidade é circundada por uma cadeia de montanhas altas e entre elas o MONTE OLIVIA. Elas estão todas com os cumes tomadas pela neve, ainda que estejamos em pleno verão. É fantástica a sensação de ver isso. Gostaria que a Rita e os meninos estivessem aqui comigo também.



Ushuaia é histórica. Fernão de Magaçhães, Charles Darwin e outros grandes navegadores já olharam para essas mesmas montanhas.


Há muita familiaridade com o Brasil aqui, a começar com os carros. Estou sendo muito bem tratado pelos 'hermanos argentinos'. Os naturais de Ushuaia se chamam de 'FUEGINOS' que vem de 'Tierra del Fuego', como é conhecida essa parte da Patagônia argentina.



Carros estacionados na Rua San Martin
 
Existem muitas referências aqui à Guerra das Malvinas. Tem até uma associação que congrega os veteranos que espero visitar.


Monumento sobre a Guerra das Malvinas
  Como disse fui convidado para almoçar para almoçar com o Oleg, Sophie e Igor a bordo do KOTIK e aceitei claro. As 13:00 horas lá estava e pude conhece-los e a um casal argentino, naturais de Ushuaia, que estava visitando-os. Eles são muito queridos e respeitados em todo mundo. É uma das maiores famílias que conheço, a família 'amigos do Oleg'.


Tomamos uma dose de whisky e almoçamos carne de carneiro ao forno, arroz, beterraba e alface e tomamos um vinho retirado do cavername, bem abaixo de meus pés, LOTADO de garrafas.


Sophie é uma senhora que creio ter entre 60 - 65 anos, magra, 1,65 m aproximadamente e de uma simpatia que me fez lembrar a Rita. Hospitaleira e atenciosa.


Igor está com 27 anos, jovem, de barba e ficou o tempo todo em seu netbook conectado na internet. Se segurou um pouco em fazer amizade. Ainda não fez. Falava muito em francês com Oleg e Sophie, quando fala muito bem português. Natural, também não me conhece. O barco é a casa deles.


Logo depois do almoço, chegara o casal Bene e Maristela, de São Paulo, e que também vão na expedição. Junto apareceu uma amiga de Igor, francesa e jovem, é formada em arquitetura naval e está trabalhando a 3 anos como marinheira particular em um veleiro...

Aguardem a continuação...


Boa navegação a todos!
Capitão Gutemberg.
Comandante da Embarcação Odyssey.