sexta-feira, 18 de junho de 2010

Antártida 2011

Diário de Bordo em 18 de junho de 2010




Continuando nos preparativos para ir à Antártida (ou Antártica, ambas as formas estão corretas) tenho me ocupado de tentar depositar o sinal da viagem para o Oleg, o que finalmente consegui ontem. Sophie, a esposa do Oleg me respondeu à um e-mail falando sobre um rapaz de Campinas, João Batista (JB), que já viajou com eles e que poderia me ajudar nos preparativos de minha expedição com relação a roupas e equipamentos que devo ou posso levar.



O planejamento vai indo. Já fiz umas três relações de coisas que não posso esquecer. Creio que terei que usar um 747 para carregar tudo...brincadeira, estou acostumado com o básico. O que pega é a incerteza da intensidade do frio. Não tenho idéia de como pode ser o frio por lá. Sei que irei no verão, o que representa dizer que pegarei temperaturas amenas, como máximas de até 5ºC e mínimas de até -10ºC, se ventar.



Em contrapartida também sei que os pólos são os lugares mais secos do planeta, ou com menor umidade relativa do ar. É seco. É frio.



Outra coisa que me preocupa é um vento famoso por lá, chamado de "catabáticos", que vem da expressão grega katabatikos, ou descendo colinas. Eles são ventos de alta pressão que acabam descendo as colinas por força da gravidade, gerando ventos violentos, como pode ser observado nas imagens abaixo.

Foto 01: ventos catabáticos.

Foto 02: ventos catabáticos Antárticos.

Fonte: wikipédia.

Esses ventos são capazes de empurrar icebergs menores e podem atrapalhar o passeio. De qualquer forma, tornam a aventura mais colorida.

Bom, em minha relação de roupas tenho que fazer uma previsão para quatro semanas. Lembrar que não há lavanderia a bordo, portanto não há a possibilidade de reutilizar a mesma peça. Usou até não dar mais, vai para o saco de roupas sujas que será aberto apenas em casa. Então voce tem que pensar no que precisa para o dia a dia e para as eventualidades. Por exemplo, quando se sai de barco, tem-se uma idéia de como será o dia. Ali, a travessia do Estreito de Drake dura em média quatro dias. Saiu não tem volta. Portanto se pegar um tempo ruim no caminho, poderá haver a possibilidade de molhar a roupa que está vestindo.

Como todos sabem, a água do mar é salgada, então a roupa mesmo secando ficará desconfortável para uso, pelo sal impregnado. Perdeu mais uma veste. Se calcular errado, corre o risco de ficar sem roupas secas para usar ou ter que usar roupas sujas ou salgadas. Imagine dormir assim...

Existe uma roupa chamada "segunda pele". Ela é aderente ao corpo para prender o calor que nós produzimos. Essa roupa fica bem justa ao corpo e é flanelada. Se voce começar a andar, gera maior calor e poderá transpirar. Se transpirar e permanecer com a roupa, quando parar o suor produzido irá... congelar. Já diferentemente, no gelo voce quase não sua (nas partes mais expostas) por que o frio contrai os póros e não permite suar. Caso aconteça de suar...não tem jeito, terá que mudar de roupa ou se abrigar em algum lugar que não te permita congelar por debaixo das roupas de frio.

Conversando com o Oleg ele me falou da possibilidade de pernoitar em algum abrigo abandonado que existe por lá. Fiquei encantado e ansioso com a experiência. Estou programando o que levar de equipamento. Queria comer um miojo na Antártida...será que vai dar?? O plano é simples, tenho um pequeno fogareiro de uma boca que usa um pequeno botijão de gás, mas não creio que conseguirei levá-lo comigo no avião...com essa onda de terrorismo, está tudo proibido, sem dizer que o dito iria no compartimento de cargas e lá não é pressurizado, portanto faz um frio enorme. Há perigo assim de explodir...melhor fazer uma fogueirinha comm madeiras de naufrágios e usar uma das pequenas panelas da Sophie!

Nem sei se vou conseguir levar meus canivetes...com certeza iria precisar deles. Vou levar um isolante térmico e um saco de dormir para temperaturas de até -10ºC. Creio que seja suficiente. Os homens de Ernest Schakleton tinham muito menos e sobreviveram...

O que eu não posso esquecer de levar são lenços umidecidos. Isso é importante quando não se tem uma programação muito certa de banhos.

Na minha relação estão incluídos:

- Bandeira do Brasil, claro!

- Máquinas de filmar e fotografar com seus carregadores e pilhas sobressalentes. Vou comprar também cartões extras de memórias. Se não der para descarregar no laptop, descarrego quando chegar.

- laptop para poder ir atualizando o blog e quando chegar por aqui lanço tudo de uma vez...

- canivetes, rolo de barbante, fitas helerman (?), linha de costura e agulha, Meclin 50g (uma caixa fechada, rs), boné, óculos escuros, roupas impermeáveis, botas para gelo, pantufa para o interior do barco, meias de lã, jaqueta de frio (mesmo), etc...

Quando lembrarem de algo me escreva...então é isso, por enquanto...

Boa navegação à todos!

Capitão Gutemberg

Comandante da Embarcação Odyssey