terça-feira, 14 de setembro de 2010

Preparativos para cruzeiro em novembro de 2010.

Diário de Bordo em 13 de setembro de 2010

Comecei os preparativos para meu cruzeiro de novembro. Espero ter as mesmas boas condições do ano passado. Foram oito dias e sete noite maravilhosas.

Mandei o nosso mecânico de confiança, Renato, dar uma olhada nos motores e realizar a revisão de 300 horas. Ele abriu um dos motores e viu algumas coisas que entende melhor acertar antes da viagem.

Devo ir, a exemplo do ano passado, até Ilhabela, Ilha Anchieta, Angra dos Reis, Ilha Grande, Baia de Angra dos Reis, Paraty e baia e Ilha Cotia.

Esse ano gostaria de levar alguém - algo em torno de três pessoas - para ajudar um pouco nas despesas. O barco consome um bom combustível. O resto fica barato. Creio que R$ 1.200,00 por pessoa seriam o suficiente. Considere que são R$ 1.200,00 por oito dias, ou seja R$ 150,00/dia passeando por lugares inesquecíveis e alguns até inacessíveis sem barco.

Posso garantir que vale cada centavo.

Incluído estariam refeições leves a bordo, passeios em Paraty, mergulhos de snorkeling, pernoite em ilhas paradisíacas e cafezinho...rs. As refeições nos restaurantes e nas cidades (desembarcados) estariam fora do pacote, claro. Na verdade não é um pacote turístico, por que é um passeio muito especial, num lugar muitíssimo especial. As pessoas a bordo precisam participar da faina diária, ainda que seja pequena e prazerosa.

No ano passado, ficamos três dias ancorados em Ilha Cotia. Saíamos para passear em Paraty e adjacências, Saco de Paraty Mirim, Saco de Mamanguá, fora as incursões com o barco de apoio pela própria Ilha Cotia. A tarde ficávamos jogando carta na proa enquanto ia escurecendo e os peixes saem para comer...era uma correria só dos pequenos peixes fugindo dos maiores.

Depois de escuro (e escuro mesmo!!) ficávamos olhando para o céu - que naquelas latitudes e escuridão ficam repletas de estrelas - a espera de alguma estrela cadente ou algum OVNI...rsrsrs. Estou rindo agora, mas se aparecesse algo não sei o que faríamos...rsrsrsrs.

Ali onde ancoramos a água fica mais parada que uma piscina. Umas duas noites tivemos a companhia de dois barcos de pesca que ali se abrigavam para logo de madrugada saírem à pesca. Em outra, além dos pesqueiros, apareceu um veleiro para uma noite apenas.

É diferente chegar à Paraty pela água. Para mim foi. Já tinha ido até lá algumas vezes mas sempre de carro. Foi uma experiência inédita e essa é a proposta. Possibilitar experiências inéditas a quem quiser, sem loucuras, aventuras descabidas nem nada mais agressivo. Vida no mar. Esse é o nome da expedição.

Vida no Mar!

Está a fim??

Enquanto pensa...


Boa navegação a todos!

Capitão Gutemberg.

Comandante da Embarcação Odyssey.