quarta-feira, 15 de julho de 2009

Feriado Nove de Julho

Diário de bordo em 15 de julho de 2009



Feriado de Nove de Julho - 09, 10, 11 e 12 de Julho.



Diário de bordo em 15 de julho de 2009

Feriado de Nove de Julho - 09, 10, 11 e 12 de Julho.

Enfim finalizamos nossos planejamentos para o feriado e descemos na quinta-feira, dia 09, pela manhã.

Por causa da maré, a Odyssey foi para a água apenas as 15:00 hs, mas tivemos tempo de tomarmos outras providências, como compras no Perequê. Todo mundo na marina ficou espantado por nossa decisão de irmos para Ilhabela com uma frente fria chegando.

Claro que eu estava acompanhando a meteorologia passo-a-passo, mas a experiência dos marinheiros é importante, apesar que...de vez em quando alguns dão umas bolas fora, mas como diz o ditado, cautela e caldo de galinha não faz mal a ninguém.


Ainda sim, saímos as 09:00 hs do dia 10Jul com destino à Ilhabela. O mar estava liso como uma piscina, vento suave vindo de SE, algo em torno de 3 Km/h e ondas menores do que minha piscina quando os meninos decidem brincar.

A viagem foi tranqüila. A estreante Carol, namorada do Tosco foi muito bem no teste. Propositadamente não demos nenhum anti-enjôo, para ver sua desempenho. Isso iria ser muito importante mais tarde.

Na chegada do canal de São Sebastião, passamos pela praia de Guaecá Brava, apenas para o Tosco, João Pedro e Paty (agora conhecida por Nanopaty...dada aquela altura toda, rs) relembrarem da passagem de ano de 2007/2008, quando ficamos ali o dia todo e eles tombaram o bote inflável com ela dentro...brincadeira, rs.

O Rafão adorou o local, também pudera, é o típico local de velejador...

Bom, dali fomos direto para o Saco da Capela e apoitamos na mesma bóia de sempre, próxima da praia e fomos arrumando as coisas para a liberação de desembarque (isso mesmo, eu dou a liberação de desembarque aos passageiros, para não haver riscos desnecessários...Capitão é Capitão...rs)

O dia ficou nublado, mas quente. O melhor do dia foi descermos (Rita e eu) na praia e usarmos pela primeira vez as cadeiras de praia do barco. Ai veio o melhor. O Alex rapidamente nos ofereceu uma batidinha de maracujá... (Fiquei me achando...) Ele, que estava no bote inflável, nos ofereceu a dádiva, retornou ao barco remando o pequeno bote... (vai vendo a cena), fez na hora a dita cuja e voltou remando e nos entregou na beira mar à batida. Fiquei tão emocionado com a cena que nem tive coragem de tomar... rsrsrs. Brincadeira, tomei uns golinhos...

Bom, tivemos a primeira noite embarcada muito tranqüila. Posso afirmar, acordar a noite e olhar aquele espelho dágua refletindo as luzes da lua e das estrelas é maravilhoso. Tudo silencioso, calmo...

Sábado o dia ficou um pouco mais chato, pois choveu (como havia a previsão) e andamos o quanto pudemos pela Vila. Almoçamos fora e jantamos também.

Por volta das 23:00 hs estávamos todos embarcados e recolhidos. Segurança total. Verifiquei novamente as amarras e tração da poita, cabo de popa, fixação da capa de popa e fly, ok!! Hora de dormir

Mais uma noite tranqüila... nem tão assim!!

01:00 hs acordei com um som duvidoso. Levantei e vi o Alex e o Rafão se levantando também. Alex disparou: Patrão vem vindo um Sudoeste ai, apontando sei-lá-que-direção. O barulho foi ficando assustador e mal deu tempo de checarmos novamente as amarras e o vento nos açoitou com violência.

O barco chocalhou violentamente e imediatamente subiu ondas desde o canal, fazendo subir a maré.

Eu levantava, olhava tudo, apoiava algum objeto que estava batendo, para não acordar as meninas, que na verdade estavam acordadas. A cada movimento o Rafael e o Alex levantavam e eu idem.

Assim, entre uma onda e outra, ficamos acordados até umas 05:30 h quando as coisas começaram a melhorar. Quando deu 03:30 hs eu dei Dramin para todo mundo, evitando mal maior. Isso deu sono em todo mundo e todos acabaram dormindo.

A noite sempre é longa quando não podemos dormir. O cabo de proa estalava na bóia e o barulho era forte e ficava cada vez mais ameaçador, a cada onda que chegava. A freqüência entre elas estava curtíssima, o que não dava uma trégua para a embarcação.

De manhã fomos ver o saldo da tempestade. Um veleiro vizinho foi parar na praia e pelo que nos chegou, no Iate Clube de Ilhabela alguns barcos bastante danificados e um que teria afundado. Não creio, pelo que vi na segunda feira, mas a tempestade foi forte.

Bom, na Odyssey acabamos tendo o toldo de proa rasgado, o que não é nada perto do estrago nas redondezas. A vila de Ilhabela foi violentamente atingida e o aparato preparado para a Semana de Vela foi muito atingido e estragou bastante, entre árvores e placas, que sempre caem após tempestades.

Enfim, nossa viagem de regresso acabou ficando para segunda-feira. Foi uma viagem muito tranqüila e fria. Chegamos à Bertioga com 13°C, mas com um sol gostoso e um céu aberto e azul.


Enfim, nossa viagem de regresso acabou ficando para segunda-feira. Foi uma viagem muito tranqüila e fria. Chegamos à Bertioga com 13°C, mas com um sol gostoso e um céu aberto e azul.


Boa navegação à todos!

Capitão Amador Gutemberg
Comandante da embarcação Odyssey